Feicorte 2011: melhoramento, negócios e ferramentas

21 Jun 2011

A Feicorte 2011 - Feira Internacional da Cadeia Produtiva da Carne – terminou na última sexta-feira (17) no Centro de Exposições Imigrantes em São Paulo-SP. No espaço, estavam disponíveis diversas oportunidades de incrementar e produção de carne - desde ferramentas de negócios a utensílios.

 

O Instituto do Zootecnia (IZ-APTA) da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo mostrou a melhoria de seus animais frutos do melhoramento genético, que existe no IZ desde a década de 70. O bovino chega a pesar até 100 quilos a mais que o normal. Para o pecuarista interessado em adquirir a genética, o Instituto fornece sêmen, embriões e organiza leilões. Veja mais detalhes no site do IZ.

Foto: Diferença entre as picanhas de um boi padrão (direita) e de um boi melhorado geneticamente pelo IZ/SP (esquerda).

 

 


Rodando o espaço, foi possível encontrar também ferramentas que auxiliam no manejo do gado, como o imobilizador eletromagnético. Ele pode ser utilizado tanto no casqueamento como na castração. O revendedor do produto, Nicolaas Nienhuys, diretor da ITC do Brasil, explica que as ondas eletromagnéticas fazem com que os sinais nervosos dos animais entrem em pane e insensibilizam a região pélvica. O aparelho, em formato de sonda retal, entra em contato com a coluna vertebral e confunde o sistema nervoso.

Mercado futuro

Para ajudar o pecuarista a comercializar e proteger seus ganhos, a BM&F Bovespa montou seu espaço dentro da maior feira indoor de gado de corte do mundo. Em conversa com Carlos Dupas, vice-presidente da BBM, e João Pedro Cuthi Dias, consultor da BM&F Bovespa, este afirmou que “o produtor pode fazer bom negócio e às vezes até um mau negócio. Não pode é fazer negócio que não entende”, daí a necessidade de conhecer o mercado futuro.

Projeto Caminho do Boi

O espaço do Projeto Caminho do Boi, parceria entre a Beckhauser e outras empresas privadas, incentivava os visitantes a refazerem os passos de sua boiada até a chegada ao frigorífico, passando pela seringa, tronco, rampa para o caminhão e caçamba, culminando no tronco de contenção para o abate.

Veja as fotos das instalações:

Foto: Cada visitante recebia um botton de identificação.


Foto: Piso emborrachado anti-stress na seringa do Projeto Caminho do Boi.

Foto: identificação eletrônica de cada visitiante por botton.

Fonte: José Luiz Alves Neto / Rural Centro